MEP Caxias

Escolas da 2ª CRE recebem nove prêmios na 10ª MEP

Veja mais fotos 

A décima edição da Mostra de Escolas de Educação Profissional e do Ensino Médio (MEP), ocorrida em Caxias, teve a participação de 25 escolas de quatro coordenadorias: 2ª CRE (São Leopoldo), 4ª CRE (Caxias do Sul), 16ª CRE (Bento Gonçalves) e 27ª CRE (Canoas).  Mais de 1.500 visitantes prestigiaram os 33 trabalhos científicos expostos durante os três dias de Mostra (dias 25,26 e 27 de setembro).

Os trabalhos foram avaliados por sete eixos: controle de processos industriais; gestão e negócios; produção industrial; recursos industriais; segurança; Ensino Médio Politécnico e turismo, hospitalidade e lazer. Dos dezesseis trabalhos inscritos das escolas de abrangência da 2ª CRE, nove receberam premiações. Foram quatro primeiras colocações, duas segundas e três terceiras (veja quadro). Os primeiros colocados recebem credencial para participar da Feira Estadual de Ciência e Tecnologia das Escolas Profissionais (FECITEP), realizada em outubro, em Porto Alegre.

A novidade da Mostra é que a edição deste ano contou também com a apresentação de trabalhos do Curso Normal e do Ensino Médio Politécnico. Para a coordenadora da 2ª CRE, Rosana Santos, a Mostra celebra a educação ancorada na vida e na transformação social. “Ver tantos jovens envolvidos em pesquisa e preocupados em interferir de forma positiva no seu meio prova que a educação está no caminho certo”, acredita.

 

 

1º lugar

 

Escola

Escola Técnica São João batista (Montenegro)

Eixo

Controle de processos industriais

Trabalho

Análise da semente da abóbora cucurbita para redução do nível do colesterol LDL-Fase II

Alunos/as

Douglas William da Cruz Novakoski; Natascha Goulart Kulinski; Priscila Rodrigues Tasso

Professor/a

Fábio Juliano Motta de Souza

1º lugar

 

Escola

Escola Técnica Estadual Monteiro Lobato (Taquara)

Eixo

Produção industrial

Trabalho

Reciclar é brincar

Alunos/as

Aléxia Luana Oliveirda da Silva; Bruna Marieli Reinheimer; Karen Adam dos Santos

Professor/a

Everton Leonardo de Oliveira

1º lugar

 

Escola

Centro Estadual de Educação Profissional Visconde de São Leopoldo (São Leopoldo)

Eixo

Recursos naturais

Trabalho

Jardim sustentável de ervas alimentícias não convencionais

Alunos/as

Isadora Santos Fontoura; Talita de Brida Aguiar

Professor/a

Renan Felipe Orlandini

1º lugar

 

Escola

Escola Estadual Técnica São João Batista (Montenegro)

Eixo

Turismo, hospitalidade e lazer

Trabalho

Roteiro turístico cultural e natural dentro do município de Pareci Novo- Caminho das Três Marias

Alunos/as

Bruna Tasca; Viviane Kasper

Professor/a

Daise Tanara de Souza

2º lugar

 

Escola

Escola Técnica São João Batista (Montenegro)

Eixo

Controle de processos industriais

Trabalho

Comparação da utilização do suco de uva e do vinho na produção do xarope suplementar para anemia ferropriva

Alunos/as

Alessa Maria Ceratti; Carolina Lauermann; Valesca Reali

Professor/a

Michele Cristina Behrens

2º lugar

 

Escola

Centro Estadual de Educação Profissional Visconde de São Leopoldo (São Leopoldo)

Eixo

Recursos naturais

Trabalho

Estrabiola- estação de tratamento biológico de água

Alunos/as

Aurélio Schmidt Kern; Evelyn de Córdova

Professor/a

Cláudio Rodolfo Illi.

3º lugar

 

Escola

Escola Estadual Técnica de Portão (Portão)

Eixo

Controle de processos industriais

Trabalho

Cadeira automatizada

Alunos/as

Gilberto da Luz Fortes; Ítalo Marques da Silva; Lucas Battisti

Professor/a

Linamir Rodrigues da Rosa

3º lugar

 

Escola

Escola Estadual Técnica São João Batista (Montenegro)

Eixo

Recursos naturais

Trabalho

Embalagem biodegradável a partir da fécula de mandioca

Alunos/as

Cristine Herold; Jéssica Carla de Azevedo; Maria Luísa Vargas de Ávila

Professor/a

Raquel da Silva Elguesabal

3º lugar

 

Escola

Colégio Estadual Dr. Wolfram Metzler (Novo Hamburgo)

Eixo

Ensino Médio Politécnico (Seminário Integrado)

Trabalho

Energia eólica como uma necessidade para o futuro

Alunos/as

Andreza Micaela Oliveira Nunes; Paloma Pinheiro Karpinski

Professor/a

Josiara Ilha de Quadros

 

Escolas da 2ª CRE fazem relato de experiências durante a 10ª MEP

 

Durante a 10ª Mostra de Escolas da Educação Profissional e do Ensino Médio (MEP), ocorrida nos dias 25, 26 e 27 últimos, em Caxias, três escolas da 2ª CRE fizeram relato de experiências. A formação ocorrida no segundo dia da Mostra contou com a presença de professores de quatro coordenadorias: a 2ª (São Leopoldo), a 4ª (Caxias), a 16ª (Bento Gonçalves) e a 27ª (Canoas). As Escolas Wolfram Metzler, de Novo Hamburgo, São João Batista, de Montenegro e Monteiro Lobato, de Taquara, trouxeram suas experiências de pesquisa no ensino técnico.

As três escolas têm uma trajetória consolidada no ensino técnico e politécnico e angariaram reconhecimento nacional e internacional pela qualidade de seus trabalhos. Com participação em feiras do mundo todo (França, Rússia, Peru, Estados Unidos, Paraguai, Emirados Árabes, entre outros) as escolas apostam na pesquisa por uma série de razões. Entre as vantagens de trabalhar com pesquisa, de acordo com Josiara Quadros e Elisabeth Backes, do Colégio Wolfram Metzler, está o desenvolvimento da autonomia do aluno. “O professor passa a ser o mediador do conhecimento, mas o aluno é o grande protagonista”, esclarece Josiara.

Outra vantagem, de acordo com o professor Fabio Juliano de Souza, da Escola São João Batista, é o desenvolvimento da capacidade de integrar as diferentes áreas do conhecimento. Além disso, são trabalhadas questões éticas relacionadas à pesquisa e é desenvolvida a percepção da importância do método científico. A prova do êxito da pesquisa está no trabalho internacionalmente premiado que a escola desenvolveu em 2012. A professora Michele Behrens orientou a pesquisa sobre o jambolão e a utilização de suas propriedades para o combate do diabetes. A pesquisa pode ajudar milhões de pessoas que sofrem com a doença no mundo todo. Segundo Priscila, os ativos do jambolão se mostraram 100% eficazes e há grandes chances de, a partir dos resultados, o grupo desenvolver e comercializar um produto. 

Além da experiência ímpar dos alunos, que conhecem novos lugares e novas pesquisas, muitos recebem bolsas de estudos dentro e fora do país. Exemplo disso é o aluno da Escola Monteiro Lobato, que desenvolveu um tipo de madeira compensada com a palha do pinheiro. O pesquisador recebeu bolsa de estudos integral de duas universidades e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). De acordo com o professor Tiago Ulrich, a pesquisa muda radicalmente o comportamento do aluno, “ele se torna mais reflexivo e mais engajado socialmente”.

O mediador da formação, assessor do Ensino Médio Politécnico da 2ª CRE, Paulo Taufer, acredita que os momentos de socialização de experiências são fundamentais. De acordo com Paulo, os relatos dão mais concretude às teorias que embasam o Ensino Médio Politécnico.