2ª CRE participa de aula magna da rede estadual de ensino

20/02/2014 11:08

 

Nesta quinta (20) cerca de duzentos professores, diretores de escolas e integrantes da 2ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE) participaram da aula magna, que marcou a abertura do ano letivo da rede estadual de ensino. O evento pedagógico ocorreu no auditório Dante Barone, da Assembleia Legislativa, e contou com a presença de mais de 500 professores. Além das presenças físicas, 10 mil educadores de todo o Estado do Rio Grande do Sul puderam acompanhar as palestras por transmissão via internet em 49 salas espalhadas pelas 30 coordenadorias Regionais de Educação (CREs).

Em sua fala, o secretário de Estado da Educação, Jose Clovis de Azevedo, reforçou os avanços nos quatro eixos prioritários da gestão. Azevedo destacou que na questão da recuperação física, o Estado já alcançou a marca de duas mil obras, realizadas em 1815 escolas, totalizando um investimento superior a R$ 300 milhões. Além disso, o Plano de Necessidades de Obras já conta com mais de cem projetos prontos, formando, inclusive, um inédito banco de projetos no Estado. No item da modernização tecnológica, o Estado distribuiu, até dezembro do ano passado, 100 mil equipamentos para professores e alunos da rede estadual de ensino. Também foi assegurada a formação para a utilização pedagógica dessas tecnologias, lembra Jose Clovis.

O secretário retomou também os investimentos realizados em formação continuada para os professores. Foram 500 mil participações em cursos e eventos, totalizando 45 milhões em investimento nas pessoas. O debate curricular feito na rede estadual de ensino passou pela reestruturação do Ensino Médio, que tem na concepção da politecnia uma importante ruptura com a visão positivista do conhecimento, cujo foco era voltado para a repetição e a simples transmissão de conhecimentos acumulados. Para efetivar essa concepção “é preciso desenvolver a cultura da investigação, da curiosidade e da observação, características fundamentais para a pesquisa”.

Na sua fala de prestação de contas, o secretário também mencionou a realização de dois concursos públicos para o magistério e a concretização de mais de 30 mil promoções. Também falou do aumento real de 50 % no salário dos professores, anunciando mais um adicional de 20 % para o ano de 2014.

A segunda palestra, proferida pelo professor Attico Chassot, do Centro Metodista IPA, aprofundou e ilustrou a necessidade de um ensino transdisciplinar, já trazida pelo secretário Jose Clovis. Chassot resgatou as principais mudanças de paradigmas ocorridas nos últimos séculos, apontando a certeza como a marca positivista do século 20 e a incerteza como o grande emblema do século 21. O palestrante recuperou a origem dogmática e cartesiana das escolas e universidades (vinculadas a ordens religiosas) e, radicalizando, propõe a indisciplina “como forma de negação do chicote e do relho utilizados para submeter os alunos”. Contudo, a negação etimológica da palavra disciplina implica uma mudança paradigmática da escola como a conhecemos. Resumindo a proposta de Chassot, poderíamos dizer que é necessário reunir todas as expertises (áreas do conhecimento) para a solução de problemas reais da sociedade. Não adianta cada um entender da cacaca da cacaquinha e se enclausurar em sua disciplina, pois assim não avançaremos”, acredita o professor pós-doutor em Educação, Attico Chassot.

 

Jornalista responsável: Mariléia Sell