Coordenadoria de São Leopoldo faz reunião com comunidade escolar da Escola Olindo Flores

14/06/2013 08:59

 

Na quarta (13/06), a 2ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE) reuniu-se com a equipe diretiva, professores, funcionários, pais e alunos da Escola Estadual de Ensino Médio Olindo Flores da Silva. Na ocasião, a comunidade escolar aproveitou para se manifestar a respeito das suas demandas, especialmente em relação à estrutura predial. Essa pauta tem sido recorrente, tendo, inclusive, motivado um protesto no Bairro, em maio. Na mobilização, a comunidade reivindicou, entre outras coisas, a instalação dos computadores recebidos pelo Programa Nacional de Informática (ProInfo).
A coordenadora da CRE, Rosana Santos, explicou para a comunidade escolar o fluxo de verbas das escolas estaduais, além de retomar os procedimentos de aplicação desses recursos. As Escolas recebem uma verba mensal para realizar a manutenção predial e para a aquisição de materiais permanentes, além de uma verba quadrimestral para pagar a água e a luz. Anualmente, as escolas recebem dinheiro pelo Programa Dinheiro Direto nas Escolas (PDDE), cujo valor é calculado com base nos dados do censo escolar. O Plano de Desenvolvimento Escolar (PDE) é outro recurso destinado às escolas com baixo Índice de Desenvolvimento Básico (IDEB). Há também o repasse de recursos para a execução do Programa Mais Educação e para a qualificação do Ensino Médio, através do Programa de Ensino Médio Inovador (PROEMI) e Ensino Médio Politécnico.
Após a explanação da vida financeira da escola à comunidade escolar, a coordenadora colocou o setor administrativo da CRE a disposição para esclarecer dúvidas sobre a aplicação das verbas e sobre a prestação de contas. “Segundo nossos registros, não falta dinheiro na Escola Olindo Flores. Há recursos significativos sendo devolvidos ou reprogramados, ou seja, não sendo gastos dentro do ano em que a escola os recebe. Quando um recurso é reprogramado, significa que os investimentos são adiados, como, por exemplo, a instalação dos computadores do laboratório de informática, que já poderia ter sido executada”, explicou Rosana.
A coordenadora ainda relembrou que a Escola está no primeiro lote do Plano de Necessidades de Obras (PNO). Isso significa que a escola passará por uma completa reestruturação. “São muitos investimentos sendo realizados na educação, entretanto, para a otimização do processo, é fundamental o trabalho da gestão em cada espaço escolar”, reforça Rosana.