Coordenadoria visita Centro Estadual de Educação Profissional Visconde de São Leopoldo

03/09/2013 09:59

 

Foto da Notícia
Coordenadoria visita Centro Estadual de Educação Profissional Visconde de São Leopoldo
 

O Centro Estadual de Educação Profissional Visconde de São Leopoldo, Unidade de Capela de Santana recebeu, na terça-feira (03), a visita da coordenadora da 2ª Coordenadoria Regional de Educação, Rosana Santos. Os 102 hectares de terra da Escola servem de laboratório para os dez estudantes do curso pós-médio de agropecuária. O curso é destinado para estudantes que já concluíram o Ensino Médio e tem a duração de um ano, seguido de um estágio de 600 horas.

A Escola tem a capacidade de atender a 200 estudantes e as instalações permitem o alojamento de 40 alunos internos. Agora, com regimento próprio, a escola aguarda recursos do Programa Brasil Profissionalizado para realizar reformas e ampliações em sua estrutura. Dentre as benfeitorias previstas estão laboratórios, galpão para máquinas e equipamentos, sala de crescimento e germinação, setor de bovinos, setor de avicultura, setor de olericultura, estação de piscicultura, entre outras.

Além desse investimento, que já está aprovado pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), a Escola também receberá recursos regulares da autonomia financeira para atender as necessidades de manutenção. De acordo com o diretor da Escola, Oldemar Kolling, há uma demanda grande para o ensino profissionalizante na área da agropecuária. “Tem candidatos do estado todo manifestando interesse. Atualmente temos alunos de Tapes, São José do Norte, São Leopoldo, Montenegro e Capela de Santana”, ilustra. A titular da 2ª CRE disse que empenhará todos os esforços para viabilizar a oferta das 200 vagas para o ano de 2014. “É inegável a importância desta escola para a comunidade, ainda mais quando há todo um esforço do governo federal e estadual para manter os jovens nas propriedades rurais, valorizando a agricultura familiar através da qualificação profissional”.

Para a aluna Caroline Pinheiro, de São José do Norte, é um privilégio fazer o curso técnico: “sou filha de agricultores e depois que terminar o curso pretendo voltar para a minha cidade e ajudar na agricultura local”. O aluno de Montenegro, Augusto Gossmann Pinto, buscou o curso porque gosta de natureza: “pretendo fazer graduação na área e aprender cada vez mais”, projeta. Entre os componentes curriculares do curso de agropecuária estão: produção vegetal e de animais, inspeção veterinária, produção agrícola sem o uso de agrotóxicos, elaboração de projetos e pesquisa.