Escola de Ensino Médio Pastor Heinrich Hunsche inaugura obras

11/06/2013 08:48

Neste sábado (08), a Escola da 2ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE), Pastor Heinrich Hunsche, de Linha Nova, inaugurou a quadra e o muro novos. A manhã fria não impediu a presença maciça da comunidade escolar. A festividade reuniu pais, alunos, professores, funcionários e autoridades locais, que puderam prestigiar apresentações artísticas dos alunos e da banda municipal.

Em seu discurso, o diretor Claudio João Theobald ressaltou o empenho da 2ª CRE para concluir as obras. De acordo com Claudio, o trabalho foi interrompido em 2005. O investimento da obra foi de R$ 374.936,94. A coordenadora-adjunta da 2ª CRE, Rosana Chinazzo, parabenizou a escola pela conquista e aproveitou para anunciar mais obras. “A quadra que estamos inaugurando receberá cobertura, pois a Escola está na primeira fase do Plano de Necessidades de Obras (PNO). Além da cobertura, o prédio receberá todas as melhorias previstas no protocolo do Plano de Necessidades de Obras (PNO)”.

Rosana falou do compromisso do Estado em recuperar a estrutura física das escolas. Somente na primeira fase do PNO, a 2ª CRE receberá a reestruturação completa de 43 escolas. Além das obras do PNO, há também as obras emergenciais e as obras decentralizadas. “O Estado reconhece a relevância da educação ao fazer investimentos nos prédios (e não apenas remendos). Mas as ações não param por aí: há também um investimento grande na formação continuada dos professores, além da realização de dois concursos públicos para recuperar a defasagem histórica de profissionais na rede”, ilustra.

A coordenadora-adjunta também lembra as mudanças curriculares da rede estadual de ensino, que são uma política que pretende fazer frente aos números elevados de evasão e repetência escolar. “Não podemos mais admitir uma educação excludente, que promove o fracasso dos alunos”, assinala Chinazzo. Nessa linha, o Ensino Médio Politécnico, por exemplo, é uma proposta que visa a integrar o mundo do trabalho ao mundo da sala de aula, contextualizando o conhecimento e tornando-o mais significativo para os alunos, explica. Da mesma forma, o Pacto pela Alfabetização na Idade Certa (até os 8 anos) é um compromisso para alfabetizar nossas crianças no tempo certo, garantindo um desenvolvimento adequado através de um programa que compreende a alfabetização como um processo e não um produto. São mudanças paradigmáticas que precisam ser feitas, pois a mudança é inerente aos processos sociais e com a educação não poderia ser diferente. Precisamos repensar a escola e seu papel social e o Estado aceitou o desafio de desacomodar algumas estruturas cristalizadas e já sem funcionalidade na vida das pessoas, conclui Rosana.