Escola José Garibaldi realiza Feira Literária

13/06/2013 15:25

 

Na quinta (13/06) uma equipe da 2ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE) prestigiou a 1ª Feira Literária e escritor presente na Escola José Garibaldi, em Montenegro. Os 95 alunos da escola aproveitaram, compenetrados, a narrativa do escritor montenegrino Jeferson Giacomelli. A Feira Literária integra o Projeto anual da escola “Através da leitura eu transformo o meu mundo”. No segundo semestre, os alunos aprenderão a trabalhar com métodos científicos de pesquisa, seguindo a mesma proposta do Ensino Politécnico, esclarece a diretora Célia Aparecida Homem Pereira.

Os alunos estudaram a vida e a obra de Jeferson Giacomelli, o que permitiu que explorassem ao máximo a sua presença. “A escola se preocupou em buscar elementos para compôr esse mosaico de perguntas inteligentes; prepararam até uma linha do tempo da minha vida”, comenta o autor, emocionado. Na hora dos autógrafos os alunos se enfileiraram para aproveitar mais um momento de interlocução com o autor: “perguntei a ele de onde vêm as inspirações, por que me deu vontade de escrever histórias”, conta Francisco Cenair de Arruda Fagundes Junior, do 5º ano.
Jeferson Giacomelli é professor aposentado de Língua Portuguesa e Literatura da rede estadual de ensino. Coleciona nove obras infanto-juvenis e se dedica à tarefa de “dialogar com seus leitores” em vários municípios da região. A obra “Adroalda”, uma coletânea de contos sobre a adolescência, teve suas temáticas exploradas em várias tendas literárias. Literatura, aliás, era o mote da decoração da escola: em cada espaço era possível admirar trabalhos, painéis, poesias e releitura de obras literárias.

De acordo com Célia, o Projeto vem promovendo mudanças profundas: “percebemos que os alunos estão mais apropriados dos temas que trabalhamos através da Literatura”. Um dos ingredientes desse sucesso todo é o engajamento da equipe de professores, destaca. Rosana Santos, coordenadora da 2ª CRE, frisa que formar leitores ajuda a formar mulheres e homens mais capazes de lidar com a complexidade da vida. “A Literatura nos sensibiliza para outras realidades e outros contextos, o que favorece uma mentalidade aberta, sem preconceitos e sem limites para criar”, reflete.