Escola Yara Gaia leva Projeto de Educação Fiscal a Brasília

26/04/2013 09:02

De terça sexta-feira (16 a 19), a Escola Estadual de Ensino Fundamental Yara Gaia, de Montenegro, participou do Encontro Internacional de Intercâmbio Técnico em Educação Fiscal, em Brasília. O encontro aconteceu no auditório da Escola de Administração Fazendária e contou com a representação de 12 países da América Latina, associados ao EUROsocial, integrantes dos grupos de educação fiscal dos estados brasileiros, coordenadores, tutores e disseminadores de educação fiscal.

No Encontro a diretora da escola, Iony Bündchen, e a vice-diretora e coordenadora do Projeto Educação Fiscal: Exercício da Cidadania, Maria Giane Campiol da Rosa, realizaram um relato de experiências. O Projeto desenvolvido pela Escola recebeu a terceira colocação no I Prêmio Nacional de Educação Fiscal, promovido pela FEBRAFITE, em novembro de 2012.

Para a Comunidade Escolar Yara Gaia, a divulgação do Projeto é motivo de orgulho, pois “estamos nos tornando referência não só no Estado, mas no país e fora dele, no que diz respeito às boas práticas em educação fiscal”, comemora a coordenadora do projeto, Maria Giane da Rosa.

O projeto tem o propósito de conscientizar a comunidade escolar sobre a importância da exigência da nota fiscal pelo consumidor como forma de combater a sonegação e garantir investimentos na área da saúde, educação e segurança. Para alcançar este objetivo, o projeto lança mão de diversas estratégias como palestras, vídeos, música, teatro, pesquisas, entrevistas, jogos e brincadeiras.

De acordo com Ione, o resultado deste trabalho é o aumento da arrecadação de notas fiscais, fomentando o Programa Nota Fiscal Gaúcha, do Governo Estadual. “Além disso, o projeto gera o aumento de verbas repassadas para a escola, permitindo investimentos no espaço físico, aquisição de equipamentos e material didático e capacitação dos professores”, explica.

De forma mais macro, o projeto ajuda na redução da pirataria e da sonegação fiscal, promovendo maior consciência social e participação da comunidade escolar. “É interessante notar que o projeto promoveu a percepção da escola, pela comunidade, como patrimônio público, de todos e de cada um, resultando em maior preservação. É, sem dúvida, uma grande lição de cidadania”, frisa Ione.