Literatura inclusiva é foco de formação para professores

13/06/2013 14:55

Nesta terça (11), 150 professores da 2ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE) participam de encontro sobre formação de leitores e bibliotecas escolares, no auditório do Colégio São Luís, em São Leopoldo. Os professores foram recepcionados pela coordenadora Rosana Santos, que destacou, em sua saudação, a importância do estímulo à leitura. “Os alunos que têm o hábito da leitura conseguem estabelecer mais relações com o mundo e têm um repertório maior para lidar com as complexidades da vida”, pondera. A formação é realizada pela Equipe de Apoio à Leitura, Livro e Literatura (EALLL) da Secretaria de Estado da Educação (Seduc).

Pela manhã, a mediadora e bibliotecária Maria do Carmo Mizetti, responsável pela EALLL, apresentou os professores à literatura inclusiva. O fisioterapeuta Cristiano Refosco, que trabalha com crianças com deficiência há mais de 13 anos, trouxe a sua coleção inclusiva de contos de fadas. Trata-se da primeira experiência autoral de Refosco, que apresenta a releitura de 11 clássicos da literatura infantil universal, como, por exemplo, Chapeuzinho Vermelho (que passou a ser a Chapeuzinho da Cadeirinha de Rodas Vermelha) e Alice no País das Maravilhas, (agora Alice no País da Inclusão). “A ideia surgiu porque eu via que as crianças não se enxergavam nas histórias, o que intensificava sentimentos de exclusão”, explica o autor.

Para o professor de Língua Portuguesa e Literatura Rafael Backes, da Escola Leonardo Fritzen, o encontro promove a inovação nas bibliotecas e estimula o trabalho com projetos. “Desde que pisei na escola pela primeira vez eu soube que seria professor e estou convencido de que posso fazer a diferença na vida dos meus alunos através da literatura”, reflete.

Durante o encontro, Mizetti indicou diversas obras para os professores trabalharem em sala de aula. Entre as indicações está a Coleção Biblioteca do Rio Grande, que reúne 17 títulos sobre a cultura do Estado. Todas as escolas da rede estadual receberão o acervo e a iniciativa da Seduc pretende valorizar a cultura regional e celebrar a diversidade brasileira, define a bibliotecária da Secretaria de Educação. De acordo com a representante das bibliotecas escolares da 2ª CRE, Flora Regina de Souza, os professores saem dos encontros de formação “reabastecidos e engajados na tarefa de formar leitores”.