Secretária Eulália Nascimento fala para diretores das escolas da 2ª CRE

28/11/2013 10:01

 

Na última quarta (28), os diretores das 171 escolas da 2ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE) tiveram reunião administrativo-pedagógica, no auditório do Colégio São Luís, em São Leopoldo. O objetivo da reunião era o de fazer uma prestação de contas das ações da CRE no ano de 2013, além de estudar os principais encaminhamentos para 2014, como, por exemplo, as matrículas, a Ficha de Comunicação de Alunos Infrequentes (FICAI online) e o Ensino Médio Politécnico.

A manhã iniciou com a transmissão de um vídeo em homenagem às escolas. A pedido da 2ª CRE, cada escola encaminhou anteriormente cinco fotos que representassem o trabalho pedagógico desenvolvido ao longo de 2013. Essas fotos foram transformadas em um vídeo para que as escolas pudessem se enxergar e conhecer o trabalho dos colegas. A coordenadora da 2ª CRE, Rosana Santos, e a coordenadora adjunta, Rosana Chinazzo, apresentaram as principais ações desenvolvidas pela CRE, como formações pedagógicas e administrativas, desenvolvimento de projetos e programas e obras.

A secretária adjunta da Secretaria de Educação do Estado (SEDUC), Maria Eulália Nascimento, falou com os diretores sobre a aprendizagem como um direito universal e subjetivo. Ela frisou que o Brasil não sofre mais com a falta de vagas e que hoje todos estão na escola: “a escola não é mais aquela do passado, elitista, que só garantia o acesso a quem tinha condições, ‘aos melhores e mais fortes’: agora todos estão nas escolas”. A secretária também destacou que as demandas sociais da contemporaneidade são outras, que os alunos são outros e que não é mais possível enfrentar as diferentes situações do cotidiano escolar com os mesmos mecanismos do passado. Essa necessidade de mudança, de acordo com Eulália, passa, necessariamente, por uma profunda reestruturação curricular, como está sendo proposto no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) e pelo Ensino Médio Politécnico. “Não podemos aceitar índices de reprovação e de evasão de 30% como algo normal”. Na pauta de Eulália estavam também assuntos gerais, como, por exemplo, os investimentos do atual governo na educação e as políticas de valorização do magistério.

Para a diretora da Escola Leonardo Fritzen, de São Vendelino, Maria Gertrudes Flach, a reunião foi muito proveitosa. “A recepção foi calorosa e a fala da secretária Eulália foi contagiante e sucinta”. A diretora sugere que Eulália fale para todos os professores do Ensino Médio: “ela contextualiza a educação brasileira, traz aspectos legais e é profundamente convicta da necessidade de mudanças”.

 

Jornalista responsável: Mariléia Sell